Eduardo Ruman (In Memoriam)
Diretor-Presidente
Administrativo e Empreendedor
Denise Ruman
MTB - 0086489
JORNALISTA RESPONSÁVEL
The Biggest and Best International Newspaper for World Peace
BRANCH OFFICE OF THE NEWSPAPER "PACIFIST JOURNAL" in BRAZIL
Founder, President And International General Chief-Director / Fundadora, Presidente e Diretora Geral Internacional :  Denise Ruman - MTB: 0086489 / SP-BRAZIL
Local Chief-Director - Brazil / Diretora-Chefe Local - Brasil :  Denise Ruman
Mentor do Jornal / Mentor of the Newspaper  :  José Cardoso Salvador (in memoriam)
Mentor-Director / Mentor-Director  :  Mahavátar Babají (in memoriam)

-1 / 25/02/2021


VALE MAIS A NATUREZA.

0 votes

Dr José Rogério Mendes Glória Embaixador WPO
VALE MAIS A NATUREZA.

Estamos vivenciando um curso normal de um ciclo viral. Mas por conta da politização e da forma como tudo está sendo conduzido, chegamos à uma rua sem saída.
Eu não sei ainda o porquê de tanto espanto diante de uma situação já esperada. Todo vírus ou mesmo bactérias e fungos, podem sofrer mutações, principalmente quando apertamos o seu ciclo de vida, com vacinas, medicamentos, etc.
O vírus é um microorganismo vivo, e ele periodicamente se transforma para se livrar dos ataques que sofre.
As mutações portanto, são esperadas, são previsíveis, principalmente quando metralhamos os vírus com diversos tipos de tratamentos que o atingem de forma e intensidade diferentes.
Não importa qual o tipo de vacina será usada na população. O que importa é ter a consciência de que em breve, nenhuma delas terão o efeito esperado, porque o vírus sofre mutações e isso pode tornar o arsenal que temos hoje, sem valor algum.
Não importa se a vacina é de vírus inativado, microlizado, atenuado, m-RNA, etc..., em pouco tempo, não vão produzir o efeito protetor.
Entendam que as vacinas vieram de acordo com a expressão da doença, sua virulência, a gravidade da patologia, a resistência do hospedeiro, humano. Cada vacina traduz uma observação da natureza estrutural e na conduta evolutiva do vírus. Quem sintetizou a primeira vacina, já tem que estar preparado para uma segunda cepa, ou determinada mutação e numa nova expressão de infecção, com maiores ou menores complicações. Enquanto o foco estiver nos efeitos do vírus no ser humano e popularizarmos as vacinas como único meio de evitar o contágio, estaremos sendo levados à retornar periodicamente ao início da fila, sempre perdendo para o agente infeccioso.
Tirando o foco das vacinas, da forma como são elaboradas, retornemos a condição primária, de como tudo começa.
Nós produzimos os nossos anticorpos IgA, IgM, IgG e outros mecanismos de resposta orgânica e imune contra todos os tipos de infecção. Portanto, se um vírus, como o SarsCov-2, da Covid-19 nos infecta, geralmente por via inalatória, na mucosa nasal, já de imediato ele encontra a IgA, criando a primeira barreira. Vencendo essa etapa, já na circulação sanguínea, a estrutura proteica do vírus fornece informações genéticas e imunes através do seus agentes de superfície e do RNA, despertando a segunda barreira, as IgM, que junto com os Linfócitos K, B+, etc, travam uma batalha imune, vencendo em mais de 85%, debelando a doença e informando ao nosso corpo a natureza do vírus, sua metodologia de infecção, nos vacinando com uma memória de dados nas IgG, para uma nova batalha se formos novamente infectados.
Portanto, nós fabricamos a melhor e mais objetiva vacina e proteção imunológica existente. Não estou aqui apregoando a não vacinação. Ao contrário, estou chamando a atenção do que já temos e que funciona perfeitamente e não está sendo tão valorizado nessa situação de pandemia.
Com tudo o que temos ao nosso favor, poderíamos aumentar ainda mais a cura dessa doença se incentivarmos o tratamento precoce, auxiliando a nossa resposta imune ao enfraquecermos ou destruirmos parcialmente a quantidade viral no nosso organismo.
O tratamento precoce, torna muito mais efetivo o nosso sucesso.
Antes de entrarmos nas complicações inflamatórias, ainda na fase inicial, com a ação rápida e efetiva de medicamentos que já temos à disposição, ofereceríamos uma chance muito maior ao nosso sistema de defesa, para o combate ao vírus.
O que passar dessa fase, seguirá a conduta médica adotada nas complicações, com internação e cuidados de suporte.
Não temos nenhuma certeza de que mesmo vacinados não seremos reinfectados e poderemos sim infectar outras pessoas. Não há vacinas cem por cento seguras, em breve não teremos nem mesmo a cobertura hoje anunciada, por causa das variantes virais.
Então, por que não insistir no tratamento precoce e contar conosco mesmo e com a nossa defesa?
Os laboratórios farão a parte que lhes convém, mas temos também que adotar medidas que estão nas nossas mãos para curar 85% ou mais dessa doença.
Cabe aos governantes assumirem essa realidade e tomarem uma atitude ética, moral e responsável, fornecendo esse tratamento precoce.
Embaixador Celso DIas Presidente da WPO
Dr José Rogério Mendes Glória
Embaixador WPO

Comentários
0 comentários


  • Enviar Comentário
    Para Enviar Comentários é Necessário estar Logado.
    Clique Aqui para Entrar ou Clique Aqui para se Cadastrar.

Ainda não Foram Enviados Comentários!

Copyright 2021 - Jornal Pacifista - Todos os direitos reservados. powered by WEB4BUSINESS

Inglês Português Frances Italiano Alemão Espanhol Árabe Bengali Urdu Esperanto Croata Chinês Coreano Grego Hebraico Japonês Hungaro Latim Persa Polonês Romeno Vietnamita Swedish Thai Czech Hindi Você